publico-adwords publico-face

Campos do Jordão, 23 de junho de 2017.

ago
29
2009

Congresso BMF&FBOVESPA contou com palestra de Arnaldo Jabor

por: - Atualizado: 29/08/2009 17:52
Mais importante evento do gênero na América Latina, o 4º Congresso Internacional de Mercados Financeiro e de Capitais levou à Campos do Jordão grandes nomes da economia.

Armínio FragaMais importante  evento do gênero na América Latina, o 4º Congresso Internacional de Mercados Financeiro e de Capitais levou à Campos do Jordão grandes nomes da economia para discutir seus rumos no Brasil e no Mundo.

A abertura do evento aconteceu nesta quinta-feira, 27, no Convention Center em Campos do Jordão e contou com as presenças de Armínio Fraga, Presidente do Conselho de Administração da BM&FBOVESPA, que foi também Foi presidente do Banco Central do Brasil; do diretor-presidente da BM&FBOVESPA, Edemir Pinto; e do diretor geral do CME Group, Craig Donohue.

Entres os palestrantes estavam especialistas nacionais e internacionais em economia, como: David Altig, Edward Misrahi, Eraj Shirvani, Fabio Giambiagi, Luiz Otavio Reis de Magalhães, Louis-Vincent Gave, Maria Helena S. F. Santana; Michael Covel; Paulo Guedes; Raghuram Rajan; Rita Laura D’Ecclesia; Steven Drobny e Arnaldo Jabor.

Arnaldo JaborCom seu realismo sarcástico e humor temperado de ironia, o cineasta e comentarista Arnaldo Jabor, fez sua palestra para os congressistas na tarde deste sábado, 29 de agosto, durante almoço no Tênis Clube de Campos do Jordão.

Para Jabor, temos hoje tem um Governo Federal que não está, nem na direita, nem na esquerda, além de não possuir um plano concreto, ou um objetivo a ser alcançado. Para ele, o PAC poderia ser este plano, mas teria somente 14% de seus resultados alcançados.

Afirmando sua declarada simpatia para uma possível eleição de José Serra em 2010, Jabor não poupou críticas ao PT e ao Governo Lula, dizendo ainda, que o único petista que ele se simpatiza é Antonio Palocci.

O afinado discurso do cineasta expôs seu ponto de vista em relação ao atual momento econômico, e colocou em evidência o governo de FHC, que teria tido, em sua época, um plano definido, colocando o País em uma economia sólida, o que preparou para atual crise econômica, segundo o comentarista. 

Em determinado momento, Jabor disse ironicamente que era de certa forma “aceitável” que o alguém pedisse uma propina, ou um emprego a um sobrinho, pois este dinheiro acaba voltando ao mercado, até mesmo para a própria bolsa de valores. Afirmou, conquistando gargalhadas dos presentes.

Para ele o Brasil atual desrespeita não só a verdade, mas também a própria mentira, banalizando-a como se fosse algo comum em que ninguém mais se preocupa. Mas o País teve um ponto positivo nos últimos anos, pois a integração da tecnologia contribuiu e vai contribuir muito ainda para a maturidade dos brasileiros. A economia do País deverá caminhar para o rumo que estiver indo economia mundial, e a eleição de 2010 não deverá influenciar muito em seu futuro.

As cômicas descrições, caricaturas e comparações não pouparam políticos como: Fernando Collor, Sarney, Renan Calheiros, Dilma Rousseff  e Paulo Maluf,  provocando risos entre os participantes.

Sobre a internet, Arnaldo disse o Google era como um Deus. E que poderia se curvar a ele, pois quando procura seu próprio nome no buscador, aparecem coisas sobre Jabor que nem mesmo ele conhecia.

Após diversas discussões sobre a economia, o 4º Congresso Internacional de Mercados Financeiro e de Capitais termina neste domingo, com eventos de lazer para os congressistas.

 

Fotos: Cristiano de Almeida Tomaz