publico-adwords publico-face

Campos do Jordão, 11 de dezembro de 2017.

jan
23
2007

Clima de Campos do Jordão foi referência de tratamento médico

por: - Atualizado: 23/01/2007 19:40
Muito tempo antes de se transformar no mais badalado reduto do inverno paulista, Campos do Jordão foi referência no tratamento de pacientes tuberculosos.

Campos AntigaMuito tempo antes de se transformar no mais badalado reduto do inverno paulista, Campos do Jordão foi referência no tratamento de pacientes tuberculosos. Em meados do século passado, a cidade chegou a ter nada menos que 17 sanatórios em pleno funcionamento.

Tudo começou no final do século 19, quando fazendeiros identificaram “propriedades terapêuticas” no clima de Campos –na época, uma vila. Passaram, então, a comprar escravos tuberculosos e mandá-los para a cidade, na expectativa de que fossem curados.

A fama de Campos foi se espalhando, e o número de doentes que procuravam a cidade não parou de aumentar. Para atender a crescente demanda, um grupo de médicos fundou na vila, em 1878, a primeira casa de saúde do Brasil destinada exclusivamente ao tratamento da tuberculose.

“Muitas pessoas chegavam aqui e ficavam pelos cantos da cidade, cuspindo sangue. Elas vinham para cá sem nada, acreditando que apenas o clima daqui iria curá-las”, conta o historiador Pedro Paulo Filho.

Na época, o transporte até Campos era feito de forma precária, a cavalo ou em liteiras (cabines sustentadas por duas varas levadas por escravos). Muitos enfermos, no entanto, não resistiam à viagem e morriam ainda durante o trajeto.

MÉDICOS- A partir do início do século passado, médicos ilustres começaram a se mudar para a cidade, impulsionando o ramo das pensões. A indústria hoteleira percebeu o potencial da cidade e, nos anos 40, começou a construir hotéis exclusivos para turistas.

Como garantia de que nenhum hóspede seria contagiado pela tuberculose, exigia-se de todos um atestado de saúde.

Entre as décadas de 60 e 70, a descoberta de novos tratamentos para a tuberculose fez com que o governo federal extingüisse os convênios com os sanatórios. Muitos deles absorveram outras especialidades médicas, mas a maioria não conseguiu sobreviver –quase todos foram transformados em hotéis e pousadas nas últimas décadas.