publico-adwords publico-face

Campos do Jordão, 8 de dezembro de 2018.

nov
15
2018

Consciência Negra ganha semana especial no Museu Felícia Leirner

por: - Atualizado: 15/11/2018 15:11

De 17 a 24 de novembro, o Museu Felícia Leirner e Auditório Cláudio Santoro realizam a Semana de Consciência Negra, que trará uma programação com brincadeiras, apresentação de samba de roda, contação da estórias e oficina de expressão vocal.

O Dia da Consciência Negra, mais que homenagear um dos ícones da resistência da escravidão no Brasil, Zumbi do Palmares, morto em 20 de novembro de 1695, mas também mostrar e valorizar a cultura, o empoderamento e a contribuição da matriz negra para a formação cultural brasileira.

A agenda cultural começa no dia 17/11, sábado, com o Família no Museu que trará a contação da estória Moça Bonita do Laço de Fita, um clássico de Ana Maria Machado, de será contada de uma forma divertida interativa, na qual o público também poderá vida as personagens dessa narração, se tornando um momento para um aprendizado lúdico. A atração acontecerá em dois horários, às 10h e 15h.  nos dias 24 e 25/11, a contação de história também acontecerá para ninguém ficar de fora.

No domingo, às 11h, o público que estiver pelo Museu Felícia Leirner poderá conferir a apresentação de Runsó, no Domingo Musical. Runsó é um núcleo de pesquisa e interpretação musical da cultura afro-brasileira, que evoca um campo híbrido – universo da mitologia africana, espetáculo ritual/concerto musical, cultura tradicional/erudita – enaltecendo a convivência harmoniosa de tambores, música popular e canto lírico, aflorando novos símbolos para se “contar” a história da diáspora negra no Brasil. A entrada é franca.

Na segunda feira, às 19h, o palco do Auditório Cláudio Santoro tem a honra de receber o Samba de Roda Nega Duda, que apresentará um pouco desse valor musical afro-brasileiro, com pandeiro, atabaque, berimbau, viola, chocalho, além de contar com as palmas. O espetáculo traz referências aos orixás, caboclos, à capoeira, à comida de azeite. Aliado a essa manifestação, homenagens ao povo português por meio da viola, do pandeiro e da língua utilizada nas canções. o Samba de Roda do Recôncavo Baiano foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2004, e proclamado Obra-Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela Unesco em 2005. O grupo comandado pela Nega Duda vem ao Museu mostrar um pouco da cultura africana que corre na veia e nas tradições dos brasileiros. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira), R$ 15,00 (jordanense com comprovação de residência) e R$ 10,00 (meia).

Ainda na segunda e terça-feira (19 e 20/11), Brincadeiras Africanas será atração no Família no Museu, que contará com jogos afro-brasileiros corporais e de tabuleiro, no qual buscará que o participante perceba a dinâmica das brincadeiras, aprenda sobre a diversidade cultural dos países africanos e sua colaboração na constituição da pluralidade. A atração acontecerá em dois horários, às 10h 30 e 15h.

 Já nos dias 21 e 22/11, acontecerá a Oficina temática destinada ao público escolar, com a temática brincadeiras africanas, que permitirá aos alunos vivenciar a prática de com jogos afro-brasileiros corporais e de tabuleiro, no qual buscará que o participante perceba a dinâmica das brincadeiras, aprenda sobre a diversidade cultural dos países africanos e sua colaboração na constituição da pluralidade. . A atração acontecerá em dois horários, às 9h 30 e 14h 30.

A sexta-feira, 23/11, o público será convidado a uma imersão na cultura afro-brasileira através da Oficina de Diálogo e Escuta com a Comunidade Negra. A oficina visa a promover uma série de diálogos entre a equipe do Museu e Auditório e grupos socioculturais distintos com o objetivo de qualificar as relações entre os equipamentos culturais e a comunidade, descobrindo novas possibilidades de atuação, novos caminhos de reflexão e ampliando a representação desses grupos na rotina de ações e programações oferecidas à comunidade. A ideia é que a programação cultural e educativa futura possa refletir as discussões levantadas pelo grupo, trazendo o Museu como espaço propício ao diálogo e à diversidade. A roda para o debate acontecerá a partir das 14h.

E fechando a agenda desta semana, acontecerá a Oficina Vocal Cantos da África Brasil, no sábado (24/11), às 11h, que será ministrada por Cecília Valentim e Décio Gioielli, com o propósito explorar a música e os cantos de matriz africana e sua manifestação no Brasil, por meio do canto coletivo e de instrumentos da tradição africana, como a Mbira e a Kalimba. Uma ótima oportunidade para os participantes explorar o seu canto, pelo método de Arte de Ser Cantante, que além de cantar, é um convite a dançar, interpretar e experimentar os instrumentos musicais, fazendo um resgastes ao contos e tradições orais afro-brasileiras, como uma forma de de adentrar um pouco mais na integração do imaginário dessas culturas de forma lúdica e sensível.

SERVIÇO:

Semana da Consciência Negra

Museu Felícia Leirner/ Auditório Cláudio Santoro – Rua Luis Arrobas Martins, 1880 – Alto da Boa Vista.

Entrada: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

Informações: (12) 3662-6000.

Os visitantes poderão contribuir com a doação de livros, que serão destinados à Secretaria Municipal de Cultura de Campos do Jordão.